SOMAMOS FESTIVAL | NATASCHA FALCÃO + GEORGE SAUMA

Data: 27 de novembro 2021 | NATASCHA FALCÃO (Sábado, às 19h)+ GEORGE SAUMA (Sábado, às 20h30)
Tipo de evento: #AoArLivre
Classificação: 12 anos
Duração: 55m

 

 

Vocês estão prontos para somar? Vem aí, o Somamos – Edição 2021!

 

Bora somar com responsabilidade + arte + amor + música boa?

 

Nessa segunda edição do Festival, preparamos line-up glorioso, recheado de grandes promessas da música contemporânea brasileira e ainda vamos contar com uma das atrações da edição passada!

 

Além de  um line-up glorioso, o Festival conta com a presença de DJ antes do começo do show, sempre às 19h, e o bar também estará funcionando com drinks e finger foods pensadas especialmente para você aproveitar o momento.

 

Chegue cedo para vivenciar essa experiência completa!

 

Bora somar com MARIANA VOLKER + CAIO PRADO + ZÉ IBARRA E DORA MORELEMBAUM + JÚLIA VARGAS + LÉO QUINTELLA + ALULU PARANHOS + TOM KARABACHIAN + MARINA IRIS + NATASCHA FALCÃO + GEORGE SAUMA + BANDA BILTRE + DJ DONI & DJ IURI.

 

Curta, compartilha e avisa pro mundo que estamos voltando!

 

Acesse @somamosfestival e fique por dentro de tudo!

 

#SomamosFestival

 

 

Sobre o show:

 

➕ Release

 

 

GEORGE SAUMA EM:

“SÓ SAUDADE”

 

O ano de 2021 começou sem muita expectativa. A pandemia acontecia fortemente, não tínhamos nem chegado ao que seria o auge de número de mortes por dia e a vacina parecia algo distante. George Sauma vendo cada vez mais difícil a possibilidade de se apresentar presencialmente e com saudade de estar em cena encontrando o público resolveu escrever algo. E assim saiu um texto sobre saudade, sobre estar em casa, sobre tudo que estava sentindo naquele momento.

George resolveu mostrar o texto para seu amigo, roteirista e diretor Daniel Belmonte para ver a sua opinão sobre o que tinha sido criado e para que ele possivelmente dirigisse. George e Daniel produziram durante o ano de 2020 um longa chamado “Álbum em Familia”. Escrito, dirigido por Daniel, o longa inspirado na peça de Nelson Rodrigues ainda contava com Otávio Muller dividindo o protagonismo com George e conseguiu participaçoes de grandes nomes como Renata Sorrah e Tonico Pereira.

Daniel leu o texto e sugeriu aproveitar as canções que George havia feito em 2020. Cerca de 10 canções inéditas falando sobre o momento que estávamos/estamos vivendo. George Sauma além de ator, é um compositor. Teve uma banda na juventude chamada Choque do Magriça que lançou um disco, depois resolveu seguir carreira solo e lançou em 2019 um ep chamado “George Sauma Sozinho” que gerou um show homônimo e que acabou virando seu 2o álbum “George Sauma Sozinho com Banda Ao Vivo no Estúdio”. Sua música “Se nao tiver amor” foi gravada por Elba Ramalho e foi tema de abertura da serie “Pais de Primeira” em que era protagonista e passou aos domingos na Rede Globo.

 

Quando Daniel sugeriu usar as canções pra contar a história, surgiu o novo projeto de George que seria um show online e um disco. Assim surgiu George Sauma Só Saudade.

George convidou Pedro Coelho, parceiro e produtor dos dois primeiros trabalhos solo, para fazer a direção musical do show que por sua vez sugeriu que o repertório já tinha um conceito de um álbum intimista, caminho que já planejávamos seguir.

George Sauma Só Saudade esteve em cartaz por quatro semanas de temporada, toda sexta e sábado as 21 horas transmitido pelo Youtube. O show, ensaiado e performado remotamente, apresentava ONZE canções inéditas de George Sauma compostas durante a pandemia.

O embrião do show foi um texto sobre saudade, sobre estar em casa, sobre a impossibilidade de se apresentar ao vivo. Junto do diretor Daniel Belmonte e do produtor Pedro Coelho, George ensaiou por dois meses o “show peça espetáculo” que teve ótima repercussão, com presenças ilustres na plateia virtual, como Otávio Muller, Marisa Orth, Evandro Mesquita, Cacá Diegues e Jorge Furtado.

Devido ao sucesso, George retomou a parceria com a Deck para o lançamento do novo álbum, também feito todo de dentro da sua casa. O “disco remoto” conta com participações super especiais de Roberta Sá, Lázaro Ramos, Yuri Queiroga e Késia Estácio.

O primeiro single já lançado e acompanhado de clipe foi “As Nossas Coisas” dirigido por. “Nem Sempre, Nem Jamais” será lançado em outubro e o álbum completo na primeira quinzena de novembro.

 

Em Só Saudade George apresentará todo repertório do disco de mesmo nome e revisitará músicas marcantes de seu repertório como: “Se Não Tiver Amor” e “É Bom Ficar Sozinho. Falando em “sozinho”, Gê se apresenta só neste novo show, acompanhado apenas de seu piano elétrico. Uma forma de estar mais próximo do público e ao mesmo tempo com distanciamento social. Ainda cabe no repertório algumas versões que ficaram famosas em suas redes sociais, músicas que todo mundo gosta de ouvir e cantar junto.

 

FICHA TÉCNICA

Piano e Voz: George Sauma

Direção: Daniel Belmonte

Direção Musical: Pedro Coelho

Som: Alex Miranda

Luz: Paulo Denizot

Produção Executiva: Pedro Coelho

 

 

NATASCHA FALCÃO APRESENTA POCKET SHOW

DE PRÉ LANÇAMENTO DO ÁLBUM AVE MULHER

 

Com uma constelação sobre a cabeça, um buquê de flores ou quem sabe até a própria Lua, Natascha Falcão extravasa o interior performático em suas criações e apresentações musicais. Pernambucana, mas cidadã carioca há 8 anos, a cantora tem a música na alma e a arte nas veias. Cresceu ouvindo histórias sobre uma bisavó que fugia de Belo Jardim – agreste pernambucano – pra cantar no Recife.

 

Cantora, compositora e atriz, a artista apresenta um preview do que vem produzindo há mais de 1 ano: Ave Mulher é o primeiro álbum digital da artista, que tem também um EP (Kitsch Completo | 2019) e um single (Adeus | 2017) lançados.

 

O repertório, mais do que uma coletânea de singles, traz no seu DNA uma história… uma lenda concebida pela artista: “Ave Mulher é um símbolo, um arquétipo fluido, um animal de poder. Como eu venho do teatro, tudo vira história… dramaturgia”, declara Natascha.

 

Com produção musical de Beto Lemos e Carlos do Complexo, Natascha – que assina a direção artística e produção do disco -, conta que premeditou a alma dupla do trabalho: popular e pop, regional e experimental na essência. “Beto é um artista, arranjador e instrumentista incrível. Ele tem uma tinta forte, uma ciganice da mesma raiz que a minha. Enquanto, por outro lado, o carioca Carlos do Complexo, que faz o que há de mais novo na música eletrônica urbana e vem somando com seu olhar, texturas e beats que eu acho geniais”, comenta a multiartista. “É música pernambucana pós mangue, é nordeste reloaded, é novíssima mpb, é raiz e é revolução”, evoca.

 

Ave Mulher mexe com as placas tectônicas da emoção. “Não tem como ouvir e não sentir saudade de casa… e, nesse momento tão carente de poesia, meu maior desejo – e fé! – é que minha música chegue no ouvido e no coração de muita gente”, finaliza.

COMPRAR INGRESSO